Para inspirar: Editorial de moda na Disney ♥

Eita que sumiço, hein!

Vocês vão ter que aguentar a saudade de mim um pouquinho, porque esses últimos dias estão muuuuito corridos e ainda vou ficar umas duas semanas sem tempo para postar =/

Fico com um peso nas consciência enorme e me sentindo super mal quando não consigo postar com frequência aqui no Salto Agulha. E vai ser assim até o final do mês  porque estou ATOLADA DE TRABALHO. Mas não estou reclamando, nem poderia, já que meu trampo intensivo esse mês é destrinchar tudo sobre os parques da Disney ♥

Se vocês também me seguem no Instagram (@gladisvivane)  sabem que eu vim aqui para os EUA para fazer um projeto de Social Media e para criar o Vivendo Orlando (Que deu super certo e é meu xodó atualmente).

Vou voltar para São Paulo no fim de outubro para resolver algumas coisas e, mesmo deixando uma equipe aqui em Orlando para cobrir o Vivendo, preciso levar muito material de arquivo para fazer matérias para o blog estando no Brasil.

Aí daqui a alguns meses eu volto pra Orlando de novo, para fazer mais matérias, e assim vai seguir o blog. To muito animada com o crescimento dele!

Essa introdução toda só para justificar o meu sumiço e explicar o post de hoje. Estou totalmente contaminada pelo espírito “Disney” e achei esse editorial uma das coisas mais fofas dos últimos tempos!

Ele foi feito em parceria com as meninas do blog The Girls With Glasses e foi fotografado no Magic Kingdom (o parque mais mágico do complexo Disney).

Eu amei porque as fotos têm um arzinho vintage-fofo que eu acho muito lindo. Uma coisa meio Zoe Deschanel… Quase todas as peças usadas nas fotos são Kate Spade, que é a minha marca preferida, então não tem como não amar, né?

Olha que coisa mais linda…

disney-photo-shoot

disney-photo-shoot

disney-photo-shoot

20140720disneylandGWG1552

20140720disneylandGWG1646

disney-photo-shoot

Tem mais fotos no blog da Disney

Lindo, né? =)

 

Links legais #1

Eu sempre espero ansiosamente pelos links da semana no blog da Emily, o Cupcakes & Cashmere. Muitos blogs fazem esse tipo de post e eu gosto especialmente dos dela porque as coisas que ela seleciona geralmente são MUITO legais. Isso é ótimo para compartilhar coisas interessantes que passaram pelo seu computador e você gostaria de dividir com outras pessoas; ou para indicar gente bacana e sair um pouco do universo moda/beleza que é o foco do blog.

E aí resolver fazer também a minha curadoria de links legais toda semana e postar aqui. Escolhi a sexta-feira pra isso e vou tentar fazer o post todas as semanas sem falta. Vamos lá?

Links

1- Uma diretora de arte americana transformou os Emojis em fotografia e o resultado ficou uma graça!

2- Uma seleção com 50 coisas sobre Sex And The City que nem mesmo a fã mais dedicada poderia saber. Várias coisas eu não sabia!

3- Um gerador de nomes “Breanking Bad” !

4- Vem aí mais uma Casa TPM, o evento da revista Trip Para Mulheres que reúne um monte de gente bacana para discutir temas mais bacanas ainda. De graça e em São Paulo. Clique e faça a sua inscrição para participar!

5- Laura Viana, colunista da maravilhosa Revista Capitolina, ensina várias maneiras fáceis e práticas de cortar seu próprio cabelo.

6- Um texto do jornalista Ricardo Amaral sobre a passagem de Brigitte Bardot pelo Brasil nos anos 60.

Clica aí! ;)

 

Coxa grossa e calça colorida PODE SIM =)

Quando eu comecei a me interessar por moda de uma maneira mais profissional, lembro que eu era obcecada por essas regrinhas de usar isso ou aquilo para parecer mais magra/alta, disfarçar barriga, disfarçar quadril, disfarçar coxa grossa, disfarçar braço grande… ou seja, esconder coisas que, na real, nem precisam ser escondidas!

Li muito, fiz cursos, estudei e fiquei craque nesse lance de “parte de baixo neutra e parte de cima colorida para afinar as coxas”; “cintura alta com peito grande não pode” e por aí vai.

Na verdade, o que me fascinava era o poder que as roupas têm de nos transformar. Essa coisa da comunicação não verbal, de poder ser uma pessoa diferente a cada dia, de acordo com o que escolho vestir. E esses

Mas, depois de algum tempo, perdi totalmente o tesão em fazer isso. Porque, apesar de ser legal você encontrar maneiras de aparentar ser mais gorda/magra/alta/baixa/gostosa  – seja lá qual desses é o seu objetivo – chega uma hora em que você vai querer usar algo que “não é adequado para o seu tipo físico” e aí fica tudo um saco.

Hoje em dia a maioria das coisas que gosto de usar – teoricamente – não ficariam bem em mim. Mas eu uso e gosto. Então, qual é realmente o problema?

Daí pensei em postar aqui no blog alguns looks que se encaixam nessa situação e criar uma tag #PODESIM  \o/

Para estrear, ao invés de um jeans escuro de corte reto, uma calça colorida/chegay que não disfarça nadinha as minhas pernas grossas (e minhas coxas são um troço que me incomoda muito).

Mas que saber? Eu amo essa calça ♥

calca-vermelha

calca-vermelha

calca-vermelha

espadrille

calca-colorida

calca-coloridaCalça Hering / Top Laundry / Sandália Cervera Alpargateria / Bolsa Renner / Óculos Ray Ban

E vocês? O que vocês gostam de usar e gritar PODE SIM?

:D

Como eu cuido do meu cabelo cacheado

*Post do ano passado, que estou republicando hoje porque chegou muita gente nova no blog por causa do vídeo sobre finalização dos cachos. Como tenho recebido muitas perguntas por email sobre produtos que uso, estou postando de novo porque tem todos os produtos que eu uso aí (ou quase hehehe).

Acho que de repente meu blog virou uma página sobre cabelos cacheados :D

Desde janeiro do ano passado, quando comecei o processo de sair do “ruivo vivendo de escova” para voltar ao “cacheado natural com mechas loiras”, tenho compartilhado com vocês minha saga em busca dos cachinhos perfeitos.

Resumo da história, tentando ser bem objetiva: tenho alma ruiva e amava os meu cabelão vermelho. Lembram da minha foto de Jessia Rabbit? Hahahaha. Passei anos tingindo de ruivo e até hoje sinto falta. O cabelo vermelho é um acessório e tanto. Você não precisa de muito para estar linda. O cabelo já está lá e PAH!

Masssss… tem o lado ruim. Você fica escrava do salão, tem que retocar a cada 20 dias (meu cabelo cresce muito rápido e a raiz “grita” logo),  deixa grande parte do seu salário lá na conta do cabeleireiro  e o resto você gasta com os  vários produtos caríssimos que prometem prolongar a cor.

Mas o pior de tudo é que meu cabelo tem um tempo máximo de sobrevida com tinta. Depois de uns anos tingindo, ele estava praticamento morto :( De tanto pigmento acumulado ele não formava mais os cachos. Foi aí que eu sentei e chorei “quero meu cabelo de volta!“. Porque eu amava viver de escova, mas também queria usar meu cabelo natural de vez em quando.

Fiquei invejando o cabelo da Maegan e decidi que ia tirar o vermelho e voltar para o loiro com mechas que eu usava antes. Comecei a tratar o cabelo lá no Chic, em Natal, para tirar todo o pigmento vermelho e reconstruir os fios. O processo foi longo, mas valeu a pena. E foi super gostoso ver meus cachinhos voltando à vida :D

Hoje eles estão do jeitinho que eu quero e eu só vou ao salão duas vezes por ano retocar as mechas. Era a praticidade e a liberdade que eu queria! Cuido do cabelo em casa mesmo, com alguns produtos que aprendi a usar e que não abandono por nada. Vivo testando tudo pra cabelo cacheado e o resultado dos testes tá aqui nesse post.

Vale lembrar que meu cabelo é cacheado mas os fios são bem fininhos, então produtos próprios para cachos geralmente não funcionam pra mim porque deixam o cabelo pesado. Eu também gosto de volume, então não entra na minha lista nada que tire o volume dos meus cabelos!

Meu shampoo do coração é o Absolut Repair, da L’Oreal. Ele é o melhor! Super hidratante, ele limpa sem deixar os fios duros nem ressecados. Já testei vários outros e nenhum deixa meu cabelo macio e hidratado como ele. Estou até usando um shampoo da John Frieda para testar. É bom, mas não chega aos pés do Absolut.

Como sempre uso leave-in, às vezes sinto que o cabelo precisa de uma limpeza mais profunda e uso algum shampoo translúcido, que é o que limpa mais profundamente (veja esse vídeo sobre os tipos de shampoo e mude a sua vida). Quando quero essa limpeza mais profunda uso o shampoo Johnson’s Baby ou o Castanha do Brasil da Granado. Os dois são bem levinhos, baratos, fáceis de achar e deixam o cabelo super limpo.

Se eu tivesse que indicar só um produto para cabelos cacheados, com certeza seria essa máscara de hidratação. Eu uso como condicionar. Lavo o cabelo duas vezes por semana e uso logo depois do shampoo. Tiro o excesso de água com  uma toalha, aplico a máscara enluvando mecha por mecha, deixo 3 minutos e enxáguo. É mi – la – gro – sa.

Mesmo com as pontas super descoloridas pelas mechas, os cachos se formam lindamente e quem segura essa barra é essa hidrataçãozinha caseira de 3 minutos. Então se você tem o cabelo ressecado, invista nela!

Cabelo cacheado não vive sem leave-in. Fato. O meu preferido é (mais uma vez) o da Absolut Repair (não, eu não ganho jabá da L’Oreal. O bicho é bom mesmo kkk). Ele deixa os cachos perfeitos, o cabelo hidratado e maravilhoso ao ponto de poder sair no vento e passar os dedos entre os fios sem desmanchar os cachos. O cabelo fica “molinho” , uma delícia!

Como ele é meio carinho, sugiro o substituto baratinho dele que é o Amend Hydrous Intensy. O efeito é quase o mesmo e a diferença de preço é absurda. O ruim é que esse creme da Amend está saindo de circulação e sendo substituído por outro. As vendedoras dizem que a mudança foi só de embalagem, mas sei lá… Alguém aí já testou?

Ah e to curtindo também o creme da linha Natura Plant Cachos Marcantes. No começo achei um pouco oleoso demais, mas depois vi que se você dosar direitinho a quantidade de produto o efeito é bem bom. E é baratinho ;)

Agora prestem atenção! Mais importante que o creme que você usa, é a forma como você aplica! Divida o cabelo em mechas, e vá aplicando o creme das mechas de baixo até chegar à superfície. Nada de aplicar o creme só por cima, porque aí você cria um capacete por cima do fuá que fica embaixo. Esse jeito de aplicar faz toda a diferença!

Depois é só sair do banho e secar amassando com uma toalha, estimulando a formação dos cachos ;)

O day after é o maior pesadelo na vida das cacheadas. Você lava o cabelo, arruma os cachinhos e sai linda pra dormir na casa do boy e no dia seguinte ele acorda com a Maria Bethânia. Tenso.

Ó, vou te falar… Quando o cabelo é hidratado e bem cuidado, os cachos resistem e você acorda linda com os cachinhos ainda definidos. Geralmente meu cabelo acorda ainda utilizável no dia seguinte. Quando isso não acontece, eu uso o velho truque de misturar água com leave-in no borrifador e ir borrifando e arrumando o cabelo.

Depois de muita tentativa e erro, foi esse creme da linha Basic Hair, do Marco Antonio DiBiaggi, que funcionou melhor pra diluir na água e fazer isso. O engraçado é que pra usar ele como leave-in  normal não é tão bom. Mas pra esse truque do day after ele é maravijoso!

Com os produtos que já uso diariamente, nem preciso fazer hidratação no salão. Mas quando faço mechas, tipo 2 ou 3 vezes por ano, faço uma hidrataçãozinha pra dar aquele up nos fios.

Gosto muito dessa da Joico. Não é barato fazer hidratação em salão, eu sei, mas é bom de vez em quando. E quanto melhor você cuida em casa, menos você precisa gastar com esse tipo de coisa.

Não tenho feito escova com frequência mas, quando faço, evito usar aqueles produtos pré-escova  porque meu cabelo fica murcho e oleoso.

Depois de escovado uso só esse óleo nas pontas, para dar brilho e não deixar o cabelo embaraçar. Gosto muito dele!

Por último, uma dica para quem quer um cacheado mais arrumado, com “cara de festa”.

Com mousse e difusor dá pra conseguir aquele efeito de cachinhos super definidos, que parecem feitos com baby liss. Aplique leave-in, um pouco de mousse e vá secando com o difusor. Depois dê uma amassada nos cabelos, para evitar o “efeito Maysa”  com aqueles cachos muito arrumadinhos.

Eu amo esse mousse da John Frieda. É carinho mas vale a pena. Dá super certo para usar sem difusor também, naqueles dias em que você quer um cabelo especial, com cachos lindos. Ele não pesa nos fios e deixa o aspecto bem natural. Mas no dia seguinte tem que lavar, porque se você coloca outra camada de creme aí sim vi ficar pesado.

Outra dica boa é não aplicar nenhum produto na raiz. Quando eu seco com a toalha, já vou levantando a raiz porque odeio aquele aspecto de cabelo grudado na cabeça, feito capacete. O negócio é: quando mais natural, melhor. Com volume, movimento e sem raiz oleosa.

 

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

 

Pronto, gente.  Isso é tudo que eu uso no cabelo e é assim que cuido dos meus cachinhos. E se você está querendo assumir os seus cachos, se livrar de química e ser mais feliz, vai com tudo que dá certo! Eu nunca fiz alisamento, mas destruí meu cabelo com tintura. O estrago foi grande mas recuperei. Comecei a cuidar em janeiro de 2012 e só agora meu cabelo está do jeito que eu quero. Mas deu certo! Então você também pode. Boa sorte, vida longa aos cachos ;)

Ah! Quem tiver mais dicas de produtos legais para cabelos cacheados, compartilha aí nos comentários!

Lane Marinho e as sandálias mais lindas do mundo

lane-marinhoEu passo grande parte do dia em frente ao computador. Muitas horas trabalhando, outras tantas procrastinando, mas sempre lendo mil coisas sobre moda e design, que são assuntos que eu nem preciso falar que prendem muito a minha atenção, né?

Pois bem, quando a gente lê e vê muita coisa sobre moda, depois de um certo tempo a gente se acostuma a ver sempre o mesmo tipo de coisa. A vida segue linear, a gente vai clicando em vários links, vendo vários produtos parecidos, até que… BUM! Uma coisa como o trabalho de Lane Marinho pipoca na sua timeline e você fica assim, sem fôlego, com os olhinhos brilhando e pensando “que coisa mais incrível!”.

lane-marinho-sapatos

A moça é baiana, mora em São Paulo, trabalhou como designer em algumas grandes empresas do segmento de calçados e largou tudo para se dedicar a um projeto experimental de fazer sapatos artesanais. “Largou tudo” não é a expressão correta para se usar aqui. “Abraçou tudo” seria melhor, pois foi isso que ela fez. Abraçou um ritmo de produção diferente da manufatura, trabalhando em casa, fazendo tudo com as próprias mãos. Do desenho aos acabamentos.

Cada sapato que ela faz é único. Até mesmo um pé pode sair um pouco diferente do outro e isso não é – absolutamente – um defeito. É um charme e tanto! Os modelos levam dias para ficarem prontos e custam, em média, R$ 600,00.

Além dos sapatos, Lane também faz pinturas belíssimas – que você pod ever no site mas não estão à venda – e monta cenários lindos, cheios de elementos naturais e combinação de cores para fotografar as sandálias. O Instagram dela é um sonho e vale a pena seguir (@lanemarinho).

2-Teresa-do-Quariter-A_905

luiza1-900x900_905

E, como se não bastsasse ser tão talentosa, a moça é também muito querida. Entrei em contato com ela para fazer essa entrevista e ela foi um doce. Quando voltar pro Brasil quero entrevistá-la pessoalmente! Por enquanto, vamos saber mais um pouquinho da história de Lane Marinho e desses sapatos incríveis…

 

Me fala um pouco da sua infância e da sua adolescência, Onde você nasceu? Você já tinha uma aproximação com arte?

Sou baiana, de Salvador e minha infância se dividiu entre a vida na capital e as férias no interior do estado, onde meus pais nasceram. E desde pequena tive contato com desenho e também com atividades manuais como bordado, crochet e costura. E segui assim, sempre experimentando com as mãos.

doralice2-900x700_905

Qual é a sua formação e como começou a sua vida profissional? Sempre esteve no meio de design/criação ou fez alguma coisa totalmente diferente?

Eu comecei estudando Design Gráfico em Salvador, depois me transferi pro Sul do país, onde cursei Design de Produto. Mas sempre fui muito curiosa e buscava meios de experimentar além do que a faculdade permitia, de forma autodidata. Com cursos cada vez mais teóricos e menos práticos no Brasil, sentia necessidade de continuar a usar as mãos: costurar, bordar, cortar, colar. E fazia isso fora da faculdade, em qualquer tempo extra. Acho que minha formação aconteceu mais na vida do que nas salas de aula. E entre estudos e trabalho, passei quase 10 anos trabalhando em grandes empresas de sapato, como Grendene e Grupo Arezzo (marcas Schutz e Alexandre Birman).

Como começou esse trabalho tão delicado com os sapatos? Como foi o início?

Eu decidi experimentar materiais novos num tipo de produto que eu já estava em contato há muito tempo. O projeto nasceu de forma orgânica, sem muito planejamento, mas com muita vontade de testar. A idéia nem é mesmo ter uma “marca” no sentido convencional da coisa – coleção inverno-verão / loja própria / showroom / pronta-entrega, etc. A vontade era mesmo de experimentar fazer sapatos, depois de passar 10 anos desenhando e acompanhando a manufatura. Queria ver no que ia dar se eu projetasse o produto e executasse a idéia depois, com minhas próprias mãos (que é diferente do “mandar-fazer”). Por isso chamo o projeto de experimental, já que aprendo enquanto faço.

tereza_azul2-700x900_905

Que materiais você usa? Quanto tempo demora para um par de sapatos ficar pronto?

Todo o processo é artesanal: É tudo cortado e feito à mão, incluindo as solas, os saltos, tudo. Por isso cada par leva em média 48 horas pra ficar pronto. Alguns levam 1 dia inteiro só pra bordar. E mais 1 dia pra cortar e montar. Nas flats uso couro tipo soleta, que é couro bovino, aquele mais duro. Uso este couro que é quase sem tratamento algum. E, basicamente, cordas, pedras naturais (como jade, howlita, corais), conchas verdadeiras, pérolas e aquele tecido quadriculado que é talagarça, um tecido-base para trabalhos de ponto arraiolo e tapetes.

Você acredita que esse tipo de produto, de produção artesanal, mais carregado de significados, é uma nova tendência de consumo? As pessoas querem desacelerar e ter algo mais especial? (Essa última é mais uma vontade minha disfarçada de pergunta hahahahaha mas queria saber sua opinião sobre isso).

Eu acredito que sim. Acho que é uma tendência de “estilo de vida” menos acelerado e mais consciente.  E que isso traga um período de paz e menos “angústia-consumista”. Eu torço por isso. Ter menos e ser melhor, talvez seja essa a chave da felicidade.

 

Estou com essa frase dela na cabeça há dias… “ter menos e ser melhor”. Espero que toque vocês também e que vocês se encantem tanto quanto eu com esse trabalho.

Para quem  quer ver mais modelos e/ou encomendar o seu par, eis o site da moça www.lanemarinho.com

(E se você gostou dessa matéria, talvez se interesse também pelo trabalho de Espedito Seleiro, sobre o qual eu falei aqui)

Eu não sou gorda, sua modelagem é que é ruim!

sophia-loren-04

Fim de semana passado eu fui (de novo) dar uma olhadinha no outlet da Kate Spade e saí de lá com a auto-estima da Valexxxxca Popozuda, gritando “eu sou a diva que você quer imitar”.

Provei 1, 2, 3… 10 vestidos na loja e todos ficaram absolutamente perfeitos, com caimento incrível. Eu tinha uma cintura finíssima, meus peitos cabiam dentro do vestido e, mais do que isso, estavam arredondados e não achatados dentro da roupa. Não parecia que eu tinha um ombro mais alto que o outro, nem que meu quadril triplicou de tamanho no último ano. E me perguntava o tempo todo diante do espelho “gente, essa sou eu?”.

Isso tudo depois de algumas semanas em que tenho me achado (ou estado realmente? Não sei, não tenho balança) muito mais gorda. E, veja bem, eu não tenho problema em ser/estar gorda. Vamos falar de gorda, de gordura, de banha e buchinho, porque esse negócio de “plus size” é muito uó. É gourmetização da gordura.

Mas voltando à minha gordura… Um monte de gente vai ler isso e dizer “ai Gladis você não é gorda, olha o drama”. Outras vão ler e me achar uma obesa. Tudo depende, já diria alguém. E o que está em questão não é isso.

Como eu ia dizendo, passei os últimos dias me achando gorda and feia. Mas uma coisa que me deixa muito intrigada é que, mesmo 10 kg acima do peso que eu gostaria de ter, continuo me achando bonita quando me olho nua no espelho. Veja bem, eu disse nua, pelada, naked, sem nehum trapinho me cobrindo. Vou tomar banho aí me olho no espelho e já penso “oi gatan, você tem Tinder?”

Sem brinks! Me acho super gostosa e super me pegaria se um boy eu fosse.

Mas porque que quando me arrumo fico horrorosa?

Aí passei a perceber que só me acho gorda – de verdade – quando estou vestida. E, cada vez mais, as roupas me dão essa sensação. Tem vestido que vem com um bucho de 7 meses acoplado. Tem a promoção “na compra desta blusa ganhe um peito caído”. Tem as maravilhosas calças que não cabem suas coxas mas cabem duas pretas gil na cintura. Aliás, cintura é uma coisa complicada hoje em dia, desconfio que a maioria das pessoas que fazem modelagem desconhecem a existência dessa curva feminina.

Então eu só posso lamenter que a modelagem ruim das roupas que a gente compra tenha me feito pensar que sou gorda por tanto tempo. Na verdade eu acho que peso 40 kg e a culpa é toda das roupas bagaceiras que encontro por aí =P

Essa sensação que provei na Kate Spade é a mesma que tenho com as roupas maravilhosas da Afer, em São Paulo, e as  saias de Juraci Lira, em Natal. Modelagem, gente. A roupa é feita para vestir um ser humano e não um cabide. Por mais magra que seja uma pessoa, entre o busto e o quadril nunca vai ter uma linha reta. Anatomia é mais importante do que qualquer tendência na hora de criar uma peça!

E aí aproveito para indicar a ótima entrevista da Regina Guerreiro para o Belezinha e transcrevo a parte em que ela fala sobre a magreza excessive das modelos hoje em dia:

 “… é muito mais fácil vestir pessoas assim. São verdadeiros cabides, tudo cai bem. Antigamente, uma roupa de alta-costura não ficava ruim em ninguém. Existia toda uma arquitetura, uma engenharia que deixava você maravilhosa. As mulheres reais não são cabides.”

Aí vem mimimimodelo tem que ser esquelética para a roupa poder cair bem. A roupa de quem não sabe fazer, né? Porque os grandes mestres da haute couture vestiam perfeitamente as mulheres com curvas, meu bem!

Um outro agravante nessa (minha) história é que, desde que cheguei aqui nos Estados Unidos, caí no transe de “só vou comprar roupa barata, tem tudo por 5 dólarrr aqui, uhuuu, como é barato comprar roupa”. Sim, roupa mal feita é muito barato. E eu não sou louca de achar que posso me vestir todos os dias só com marcas que têm uma modelagem incrível. Não tenho dinheiro pra isso. Mas tenho sim conhecimento suficiente para perceber que mais vale uma peça cara e perfeita do que 15 baratinhas que não me vestem bem.

Coloquei na cabeça que tenho duas opções na vida: ser muito rica ou aprender a costurar e fazer as minhas próprias roupas. No momento, por motivos de ‘não sei lidar com dinheiro’, acho que a segunda opção é mais viável.

Pronto, era só esse desabafo que eu queria fazer. Podem continuar com a programação normal da internet. Beijos.

Look (de um dia passado) que eu adoro ♥

Troquei de computador agora e estava naquele processo de arrumar os arquivos na máquina nova, quando de repente achei uma pastinha de fotos com alguns looks que usei, fotografei e não postei.

Engraçado isso, como a gente vê a foto e lembra exatamente o que pensou quando se arrumou naquele dia! Algumas fotos eu deletei para dar espaços às coisas novas e outras eu acho que valem a pena ficar guardadas. É o caso desse look, simplesmente porque é um dos meus vestidos preferidos 

Ele é da Afer e foi amor à primeira vista! Um amor tão grande que eu acabei levando o número 42 pra casa, quando meu número na modelagem da Afer é 38! Levei assim mesmo porque era o único e mandei remodelar todo, diminuindo dois manequins. Quem nunca?

Na verdade eu. Nunca. Até cruzar com esse vestido e essa estampa exuberante, essa modelagem vintage, esse cintinho forrado, esse balanço da saia…

 

IMG_2866

IMG_2862

IMG_2900

IMG_2916

IMG_2927

IMG_2905Vestido Afer / Sapatilha Dumond / Óculos Ray Ban

Pronto, esse era o meu look antigo que nunca foi postado e eu queria mostrar pra vocês só porque ele é especial pra mim =)

 

Fui conhecer a Rainha dos Cachos em NY

Taí uma coisa que eu tinha muuuuita curiosidade de conhecer: o famosos salão de beleza da Ouidad! 

Se você tem cabelos cacheados, crespos, ondulados ou apenas é curiosa sobre o mundo dos salões de beleza,  não deixe de colocar esse lugar no seu roteiro de Nova Iorque!

ouidad-cachosPara quem não sabe (e tem quem não saiba?!) a Ouidad é uma cabeleireira famosíssima pelo pioneirismo em cuidar e valorizar os cabelos cacheados. Ela é criadora e proprietária do primeiro salão de Nova York especializado em cachos. Editores de grandes revistas de moda e beleza a chamam de “the queen of curls” (a rainha dos cachos). Além disso ela também escreveu o livro Curl Talk (Os cachos falam), que eu estou procurando loucamente para comprar.

O salão dela fica na 57, bem pertinho do Central Park, em um prédio bem simpático. Eu já tinha visto vários posts em blogs americanos sobre o salão e essa mulher é unanimidade entre as gringas cacheadas. No Brasil, apesar de menos conhecida, os produtos dela também fazem muito sucesso. Nos grupos no Facebook sobre cachos e transição, os produtos da Ouidad são muito elogiados e é difícil encontrar uma cacheada que não tenha gostado principalmente dos finalizadores da marca.

A Seda até fez uma linha especial para cabelos cacheados com a consultoria da Ouidad. Mas eu não cheguei a testar os produtos.

IMG_0985O que achei mais legal é que você se sente muito acolhida no salão, seja lá qual for o seu tipo de cacho. Dos ondulados aos super crespos. Isso é uma coisa que acho estranha nos (poucos) lugares que se dedicam aos cachos no Brasil. Geralmente é tudo voltado para cabelo afro e você só encontra produtos que funcionam bem em crespos. Quem tem um cabelo fino e ralinho como o meu, não pode sem pensar em usar essas composições mais gordurosas e super hidratantes.

No site da Ouidad você pode fazer um teste e descobrir o seu perfil de cachos. É só clicar e começar o teste. No final o site indica quais são os produtos que funcionam bem no seu tipo de cabelo.

ouidad-cabelo-cacheado

ouidad-cabelo-cacheadoA Rainha dos Cachos só tem salão em Nova Iorque e Santa Monica, mas ela treina profissionais do mundo todo e você procurar no site onde tem um profissional treinado por ela atendendo em algum salão da sua cidade. Apesar da fama da mulher, o salão dela não tem aquele ar excessivamente luxuoso que te assusta e até te espanta. Não rola aquela sensação de “OMG eu não tenho saldo no banco pra frequentar esse espaço”.

Nada de ostentação. O lugar é simples e chique. As funcionárias são bem simpáticas e, claro, “The Queen” não estava lá e não pude conhecê-la pessoalmente. Como eu tinha cortado o cabelo com a técnica do Deva Cut quando cheguei aos Estados Unidos (depois faço post sobre) não quis cortar de novo. Mas aproveitei para comprar dois produtos da Ouidad, em tamanho menor, para testar.

Isso é muito bacana! Você pode comprar as miniaturas de quase tudo e, se gostar, compra o full size depois. O corte custa a partir de 125 Obamas e tem todos os preços dos serviços aqui. Ah, um detalhe: eles não fazem alisamento. Thank God!

ouidad-mouisture-lockEu vou fazer resenha dos dois produtos que comprei, mas já adianto: o Moisture Lock é o melhor creme pra pentear que já usei na vida! Tomou o lugar do Absolut Repair, que foi meu preferido nos últimos cinco anos.

Para quem quiser conhecer, segue o endereço: 37 W 57th St #401, New York, NY 10019

No Brasil eu sei que os produtos são vendidos na Sephora, mas vale dar uma pesquisada em outra sites que importam essas maravilhas.

 

Meus óculos novos (e como fazer óculos nos EUA)

comprar-oculos-nos-estados-unidosSempre que vou comprar armação nova é um martírio! Quem acompanha o blog há algum tempo provavelmente se lembra o quanto eu demorei para encontrar os óculos perfeitos e acabei me apaixonando por esse aqui.

Foi uma história feliz, eu amava muito a minha armação quadradinha. Pouco antes de vir para os Estados Unidos, fui ao oftalmologista e ele me passou uma nova prescrição, com quase 1 grau a mais de miopia em uma lente e 0,5 na outra. Como minha armação estava novinha e eu queria comprar algumas nos EUA, mandei fazer só as lentes novas e vim com elas.

Acontece que, durante o jogo Brasil x Colômbia nessa última maravilhosa Copa do Mundo, acabou rolando uma treta no bar. Uma colombiana louca jogou cerveja na minha cara, começou um empurra-empurra e meus óculos sumiram (pausa dramática para eu dispersar o ódio que ainda corre em meu ser).

E aí, claro, tive que ir atrás de óculos novos. Na minha última ida ao oftalmo, pedi pra que ele me desse uma prescrição para usar aqui nos EstadosUnidos. A receita de óculos é universal, então você pode trazer a sua do Brasil e ela é aceita nas óticas aqui. Se você não tiver uma prescrição não tem problema, pois você pode facilmente fazer aqui.

Nos Estados Unidos, diferente do Brasil, o oftalmologista é procurado para tratar doenças dos olhos e coisas mais sérias. Prescrição para as lentes você faz com o optometrista, dentro da loja mesmo. Procurei muito por armações legais nos shoppings, nos outlets e em todos os lugares de orlando. Achei duas lojas mais bacanas para comprar armações originais com design bacana:

1- Lenscrafters

A Lenscrafters faz os óculos na hora, super rapidão! Eles têm armações de várias marcas e muitas lojas espalhadas por Orlando (uma em cada esquina, quase). Vendem Gucci, Dolce & Gabbana, Vogue, RayBan, Prada… E é infinitamente mais barato do que os preços do Brasil. Tem armação Dolce & Gabbana por 120 Obamas, que eu vi no Brasil por MIL REAIS! Se você fizer a lente no mesmo lugar dá pra conseguir um suoper desconto – e fique de olho também nos cupons de desconto! Tem alguns que oferecem até 50% off!

2- Pearle Vision

A Pearle Vision tem menos lojas que a Lenscrafters, mas é bem fácil de encontrar também. Tem várias na cidade. Apesar de ser menor que a Lenscrafters, achei a variedade de marcas maior e os modelos mais “diferentinhos” do jeito que eu gosto. Foi nessa loja que comprei os meus óculos atuais, com armação redonda, diferente de todos que já tinha usado. O modelo é Giorgio Armani e custou U$ 298 com as lentes. Eu podia escolher entre levar óculos + armação com preço cheio e ganhar outros óculos de qualquer valor, ou usar um desconto de 30% na primeira compra (escolhi esse porque queria comprar só um mesmo).

O modelo é esse aqui e eu estou amando essa carinha vintage dele ♥

comprar-oculos-orlando

Se você tiver planejando vir para os Estados Unidos, considere colocar óculos bacanas na sua lista de compras. É bem mais barato do que no Brasil e super fácil de fazer as lentes e já sair da ótica usando os óculos novos. Mas, caso você prefira, pode comprar só a armação e deixar para fazer as lentes no Brasil =)

Vídeo: Coque rosquinha para cabelo cacheado

Mais um vídeo sobre cabelo cacheado \o/

Hoje eu vou ensinar a fazer um coque rosquinha que uso muuuuito! Sempre posto fotos minhas usando esse coque e muita gente pergunta como fazer com os cachos.

Eu também tinha essa dúvida, mas a verdade é que os cachos não atrapalham em nada! Dá pra fazer o mesmo coque com o cabelo liso ou cacheado, ó:

E aí, gostaram?

:)